São Frei Galvão: O Mosteiro da Luz

O Mosteiro da Luz


Considerado um dos mais importantes e bem conservados exemplares da arquitetura colonial brasileira do século XVIII, o Mosteiro da Luz tem suas origens na capela em homenagem a Nossa Senhora da Luz, erguida pelo colonizador Domingos Luís, dito "O Carvoeiro", na então distante região chamada de "Piranga" (o atual bairro paulistano do Ipiranga). Em 1603, Domingos Luís mudou-se para o Campo do Guaré, reconstruindo nessa localidade o pequeno templo. A capela tornou-se ponto de referência e acabou por dar seu nome ao bairro: Luz.

Em meados do século XVIII, uma religiosa chamada Helena Maria do Sacramento teria recebido uma ordem divina para construir um novo convento na cidade. Após tomar conhecimento da visão da religiosa, o franciscano Antônio de Sant'Ana Galvão levou a ideia adiante e, mesmo com as restrições religiosas impostas pelo marquês de Pombal, conseguiu licença do governo para inaugurar o recolhimento, em 1774, nos arredores da antiga Capela da Luz. Pouco tempo depois, visando acomodar as internas de forma condigna, frei Galvão conseguiu viabilizar política e economicamente a expansão do convento.

O próprio frei Galvão projetou o edifício e trabalhou como pedreiro e supervisor durante a sua construção, concluindo-o parcialmente em 1788. Nos anos seguintes, continuaria a realizar novas ampliações, incorporando a antiga Capela da Luz ao novo prédio. Após sua morte em 1822, frei Galvão foi sepultado no recolhimento, marcando o local como destino de vários peregrinos. Frei Lucas José da Purificação foi incumbido de continuar as obras do edifício, que prosseguiram até as primeiras décadas do século XIX.

Em 1929, o recolhimento foi incorporado canonicamente à Ordem da Imaculada Conceição, sendo assim elevado à categoria de mosteiro. Foi tombado em 1943 e, desde 1970, abriga o Museu de Arte Sacra de São Paulo na ala esquerda da edificação. As internas, ditas irmãs concepcionistas, vivem até hoje em regime de clausura, na parte reservada do mosteiro, sem acesso ao público. Completam o conjunto arquitetônico a igreja da Luz, a antiga capela e o cemitério das religiosas, envoltos pelo último remanescente das chácaras conventuais urbanas do país.

São Frei Galvão
Santo Antônio de Sant'Ana Galvão - OpenBrasil.org
Página anterior Próxima página